Inicio  Excepcional Vovó postou 334 fotos eróticas de sua neta de 11 anos

Vovó postou 334 fotos eróticas de sua neta de 11 anos

732

Uma mulher de 63 anos tirou 334 fotos pornográficas de sua neta de 11 anos e compartilhou na Internet.

Esses eventos têm se repetido por vários meses este ano. Segundo fontes, em algumas imagens a criança estava nua ou mostrava posições sexuais, enquanto em outras, ela estava dormindo quando foi fotografada.

Vovó, ele também se despiu e pediu para o menor tirar fotos dela. Além disso, ele também gravou um vídeo em que duas pessoas apareceram e se espalharam entre seus contatos através de bate-papo.

Este vídeo foi assistido por 14 pessoas antes da empresa bloqueá-lo, informou o Ministério Público perante a Vara Criminal.

A própria mãe da menina recebeu e imediatamente foi até a casa da mãe e encontrou a mulher trancada em um quarto com a menina. Ele pegou a criança e apresentou a queixa em uma seção policial.

Quando questionada pela filha, a vovó disse que filmou a menina como uma piada e por engano o vídeo foi transmitido em uma rede social.

Em 8 de junho deste ano, a promotora de crimes sexuais Mariana Alfaro, de 6 anos, ordenou a prisão da avó.

Em seu relato, ele disse que enviou essas imagens para um homem de 43 anos com habilidades diferentes vivendo em Porto Rico. “Enviei essas imagens para facilitar a vida daquele homem”, disse a vovó ao promotor.

A justiça uruguaia solicitou a cooperação da Interpol para verificar se a menina e a avó realizaram videoconferências com o homem.

Após a apreensão do celular da vovó, foi constatado que a mulher tentou apagar as fotos. No entanto, as fotografias encontradas e recuperadas totalizaram 334.

Por fim, o juiz criminal Marcelo Souto condenou a avó a dois anos de prisão preventiva e nove anos de liberdade condicional por abuso sexual repetido, fabricação de material pornográfico e divulgação de material pornográfico mostrando imagens de um menor.

A perícia psiquiátrica concluiu que ele tinha “discernimento total” e que “tem a capacidade de entender a ilegalidade de seus atos”.

Suscríbase
Las noticias en su email

Reciba las noticias, promociones, novedades y más

¡No enviamos spam! Lee nuestra política de privacidad para más información.